“Paulo Machava não foi assassinado por falar demais” diz Muchanga

O deputado e porta-voz do maior partido da oposição em Moçambique, António Muchanga, disse estar preocupado com as ondas de assassinatos que vem se registrando nos últimos anos na cidade de Maputo, Sul do país.

Falando sobre o caso Paulo Machava, que foi assassinado na manhã da sexta-feira (28), na capital moçambicana. Muchanga mandou um conselho aos assassinos.

O porta-voz da Renamo exortou aos assassinos que não é matando que os problemas ficariam resolvidos.

António Muchanga porta-voz da Renamo

“Dizer aos assassinos que não é matando as pessoas que os problemas desaparecem.

Quando há problema, eles devem ser discutidos e chegar ao entendimento.

Se é dívida, que se encontre o mecanismo de se cobrar a dívida, se é outra coisa, que se encontre um mecanismo para que a pessoa seja responsabilizada.

Não é aos tiros que nós vamos resolver os nossos problemas”, disse António Muchanga.

Numa outra abordagem, o deputado da Renamo disse não concordar com a ideia de que o Paulo Machava tenha sido assassinado por falar demais.

“Mas é um pouco preocupante quando se diz que Paulo Machava foi morto por que falava muito.

Eu não conheço o Paulo Machava como falador.

Em relação ao Jornal dele, o jornal em que ele escrevia, é um jornal de pequena circulação. Não encontro motivo para essa associação que está se a fazer.

Mas prontos, não podemos desmentir tudo por que não temos todas as provas e evidências do que efetivamente terá acontecido”, sentenciou Muchanga.